No blog

Campanha "Imposto Justo Para Video Games"

terça-feira, 13 de abril de 2010

Presidente da Polônia e mais 96 pessoas morrem em queda de avião na Rússia

Presidente da polônia

Havia 88 membros de comitiva polonesa a bordo, segundo as autoridades.
Polônia convocará eleições presidenciais para substituir Lech Kaczynski.

O presidente da Polônia, Lech Kaczynski, morreu na queda de um avião neste sábado (10), na região do aeroporto de Smolensk, no oeste da Rússia, informou o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Polônia, Piotr Paszkowski. Havia 97 pessoas a bordo, segundo as autoridades russas, e ninguém sobreviveu.

Não há ainda informações precisas sobre as circunstâncias da queda da aeronave, um Tupolev TU-154, que decolou de Varsóvia. As autoridades locais informam que o avião caiu  cerca de 1,5 km do pouso, durante manobra de aproximação ao aeroporto de Smolensk. O acidente ocorreu às 10h50 locais (3h50 de Brasília). 

Quase metade dos mortos no acidente de avião do presidente polonês, que caiu no sábado na Rússia, foram formalmente identificados por parentes em Moscou, anunciou o governo russo.

"Até o momento, 45 mortos na catástrofe aérea foram identificados", declarou a ministra russa da Saúde, Tatiana Golikova.

O corpo da esposa do presidente polonês Lech Kaczynski, Maria, chegou a Varsóvia nesta terça.



A Polônia movimentava-se nesta segunda-feira (12) para preencher os postos-chave do governo depois que um acidente de avião no oeste da Rússia matou no fim de semana o presidente Lech Kaczynski e dezenas de autoridades importantes, deixando o país em luto.

Investigadores russos encontraram o corpo da mulher de Kaczynski, Maria, depois que o caixão do presidente já havia voltado para Varsóvia no domingo, onde foi ladeado por flores, velas e bandeiras nacionais vermelhas e brancas. Os restos de apenas um quarto das 96 vítimas, no entanto, haviam sido identificados.




OViajando num antigo avião russo Tupolev, Kaczynski e uma comitiva de líderes militares, membros da oposição e o presidente do Banco Central morreram depois que a aeronave caiu em meio a um forte nevoeiro após bater no topo das árvores perto do aeroporto de Smolensk, no sábado.


A Rússia disse que o piloto ignorou o alerta dos controladores do tráfego aéreo para não pousar e alguns veículos de comunicação especularam que o próprio Kaczynski teria ordenado a aterrissagem em Smolensk, mas o procurador-geral da Polônia afirmou que no momento não havia evidência que apoiasse essa conclusão.


As mortes são um enorme golpe à elite política e militar, mas o acidente não representa uma ameaça à estabilidade no país de 38 milhões de pessoas, que está ancorado firmemente na União Europeia e na aliança da Otan, liderada pelos EUA.


Embora o presidente tenha poder de vetar leis na Polônia, é o governo, liderado pelo primeiro-ministro Donald Tusk, que decide a política. Três vice-ministros do governo estavam a bordo do avião.


"Apesar da terrível perda para a Polônia, o impacto sobre as principais variáveis econômicas deve permanecer limitado especialmente dada a estabilidade da economia polonesa", disseram economistas da Unicredit em uma nota.


O presidente em exercício Bronislaw Komorowski -membro do partido Plataforma Cívica (PO), favorito para vencer Kaczynski numa eleição planejada para outubro- afirmou na segunda-feira que havia preenchido postos importantes na chancelaria do presidente, boa parte da qual despareceu com o acidente.


"A primeira tarefa que vou estabelecer para o novo chefe do Bureau de Segurança Nacional (BBN) é uma revisão nas regras de viagem de oficiais militares do alto escalão", disse ele a jornalistas.


Kaczynski, combativo nacionalista conhecido por sua desconfiança frente à UE e à Rússia, estava viajando para marcar o 70o aniversário do massacre de oficiais poloneses pela polícia secreta soviética NKVD
na floresta de Katyn.
O vice-primeiro-ministro russo, Sergei Ivanov, disse que as duas caixas-pretas foram resgatadas nos destroços e estavam sendo decodificadas.


O funeral nacional do presidente polonês Lech Kaczynski, falecido no sábado (10) em um acidente aéreo na Rússia, acontecerá no próximo sábado, informa o site do jornal "Gazeta Wyborcza".

Na Rússia, os familiares das vítimas da catástrofe começaram a identificar os corpos nesta segunda-feira (12), que foi declarado dia de luto nacional no país.

"O governo pretende organizar a cerimônia fúnebre nacional no sábado", afirma o portal do Wyborcza.

"O presidente russo, Dmitri Medvedev, deseja participar no funeral", disse o ministro polonês das Relações Exteriores, Radoslaw Sikorski. Além disso, o chanceler não descartou a presença do presidente americano Barack Obama.

"É possível que as cerimônias fúnebres durem dois dias, sábado e domingo", disse à AFP a deputada do partido governista Direito e Justiça Elzbieta Jakubiak, que foi chefe de gabinete do presidente Kaczynski.

"Mas ainda não há decisões definitivas; estamos esperando que todos os corpos sejam repatriados a Polônia", acrescentou.
Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário